Túnel do Hip Hop 12a Edição.

Num  despretensioso rolê de domingo com a família, Nani Coimbra acidentalmente entrou num túnel que a colocou frente à frente com a cena hip hop goiana.

Foto: Leticia Tavares

Foto: Leticia Tavares

No último domingo, 3 de julho, depois de um passeio despretensioso pelo Parque Mutirama em Goiânia, me deparei com uma cena que há muito não via. Recém chegada de Salvador, onde os espaços urbanos vem sendo paulatinamente “higienizados” e as pessoas, principalmente a juventude, perdem lugar, fiquei surpresa e muito admirada da concentração de público ao redor do som. De longe as batidas, me atraíram. Quando ouvi as primeiras rimas vindas do palco, (envolvendo críticas à Bolsonaro, por exemplo) não tive como não parar.

A última vez que fui a uma batalha de MCs, não consegui ficar muito tempo. Foi no espaço onde era o antigo clube Português em Salvador e que hoje é uma grande praça. Naquela ocasião não consegui ficar muito tempo e percebi que, de uma maneira geral, o público fazia de tudo, menos ouvir o que estava sendo dito, cantado, protestado. Uma das coisas que mais me impressionaram aqui em Goiânia, foi a disponibilidade do público para ouvir tudo, atentamente, fazendo coro, gritando, reclamando e se metendo. Incrivelmente orgânico. Como toda relação com a música, penso eu, deve ser.

Bom, tratava-se da 12ª edição do Túnel do Hip Hop. O “rolê” como a galera chama o evento, acontece na parte superior do túnel Jaime Câmara, que dá acesso à um grande parque de diversões municipal, o Mutirama. O túnel está localizado entre o parque e um bosque. Antes sublocado, hoje tem quadras de basquete e iluminação, o que permite e assegura uma boa ocupação artística.

Foto: Letícia Tavares

Foto: Letícia Tavares

Entre um intervalo e outro conversei com o Mano Cdj que me contou um pouco dessa história que começou sem patrocínio e sem apoio até a 6ª edição. De lá pra cá, o rolê ganhou força e hoje conta com o apoio Institucional da Prefeitura de Goiânia via Secretaria Municipal de Cultura, que contribui com apoio instrumental e segurança, via Guarda Municipal e PM.

No entanto, toda a articulação do evento acontece de maneira independente via Casa de Cultura da Juventude “Instituto Educação, Cultura E Vida” com Co-Produção da SoulCrims e Coletivo Cultural GO62 em Parceria com o Programa Hip Hop Em Cena  da TV UFG, Canal 14.

Além da riquíssima Batalha de Mcs, alguns grupos de Rap se apresentaram e enlouqueceram a galera, foram eles Soldados Suburbanos, DMIC, Wu Thang Thug e Jade. Ainda rolou discotecagem com Dj Rayanne Coimbra e Johnny Black.

A ocupação da parte superior do túnel, a cada 1º domingo do mês, pelo “Túnel do Hip Hop” é uma das gratas surpresas que a cidade guarda e mantém, ainda que como um movimento de resistência, como me relatou Mano Cdj. Torcendo pela continuidade desse projeto, espero vê-los num próximo “rolê”.

Acompanhe a agenda de eventos do Túnel do Hip Hop na página oficial no facebook

Por Nani Coimbra, correspondente Oganpazan em Goiânia.

A foto em destaque nesta postagem também é de autoria de Letícia Tavares.  

O vídeo foi gravado por Nani Coimbra.

 Um pouco do que foi a noite de rap em Goiânia.

Sobre o Autor

Carlim

Jornalista musical instantâneo, saxofonista entre quatro paredes, híbrido de mineiro e baiano, ex-ateu, devoto ardoroso de São Victor do Horto e fanático religioso da Igreja Universal do Reino do Galo,

Notícias relacionadas

Comentar