Oganpazan entrevista: Paula Holanda

IMG_8433

Adepta da máxima punk “Faça Você Mesmo”, Paula Holanda criou o Porão Zine, escrevendo e fortalecendo a cena musical underground, em particular a soteropolitana.

Quando vi na timeline do meu perfil no facebook uma postagem sobre um fanzine feito de papel, impresso, encadernado, como se fazia nos tempos pré-web, meus olhos se encheram de um brilho intenso, misto de espanto e admiração. Naquele instante pensei se tratar de um espécime que julgava extinto faz alguns anos, o zinneiro. Mas ali diante de meus olhos a prova de que algum zineiro daqueles tempos remotos, quando ainda lidávamos com a tangibilidade das coisas, estava querendo mostrar às pessoas que há informação fora da matrix.

Enganei-me na parte de que seria alguém “das antigas”. Nada disso, tratava-se de uma pessoa que cresceu durante o período web. Contudo, mostrou possuir uma tendência a andar na contra mão de sua geração, buscando alternativas ao universo digital/ virtual. Optou pelas inúmeras sensações que envolvem o ato de manipular algo material. O cheiro e a textura do papel, o peso do encadernado entre as mãos, as vistas repousadas, pois não encontram a agressividade presente no brilho intenso da tela das máquinas que usamos para ler. Nada de arquivos em formatos de leitura, o que temos aqui é o bom de velho papel,!

Paula Holanda é a pessoa por trás desse episódio. Ela promove o reencontro entre esse suporte milenar e as informações sobre o que rola pelos vários mundos que coexistem na cena musical independente, underground. O Porão Zine, fruto de sua paixão pela música, em particular pela cena independente, está pelos festivais de música e shows que rolam em Salvador, divulgando as bandas, revelando outros olhares e compreensões sobre os sons produzidos por cada uma delas. Sua presença se faz através de suas lentes que registram os momentos das bandas durante suas apresentações, em sua banca vendendo cópias dos dois volumes de seu Porão Zine, a materialização de suas ideias e percepção da música que se faz pelas ruas afora. Ela nos mostra que a crítica musical, a divulgação dos trabalhos das bandas, a informação sobre o que rola no cenário musical underground/ independente precisa estar materializado. É essencial ser possível essa experiencia estética!

Carlim (Oganpazan): Obrigado por tert aceitado o convite para essa entrevista Paula, estamos realmente felizes pela oportunidade desta conversa. Gostaria de dar início ao bate papo perguntando por que a escolha de um formato material, o fanzine, e não um digital, blog ou site, para veiculação do conteúdo que você produz?

Eu sempre tive muito carinho por materiais físicos e meus primeiros contatos com a música e com a literatura se deram a partir deles. Eu não consigo usar serviços de streaming em geral, salvo discografias em pendrives e ainda compro discos físicos que gosto muito para apreciar a identidade visual dos álbuns e ler encartes. Eu já baixei e excluí o Spotify do meu celular umas 50 vezes — não dá, simplesmente não me desce. Mas eu aprendi a gostar de ouvir música pelo YouTube, acho que já é um começo. Eu queria me adequar aos avanços da tecnologia, mas não consigo.

Acho que a vontade de publicar meu próprio produto impresso se deu principalmente depois que passei uma tarde conversando sobre o movimento punk no Centro Histórico com Márcio Matos, idealizador do Bukowski Porão. Ele me mostrou seu arquivo pessoal de flyers e fanzines de décadas passadas, então pensei “eu não conheço ninguém em Salvador que esteja fazendo algo parecido hoje em dia. As coisas estão se resumindo à internet, e isso é preocupante”. Eu fiquei aflita pensando na quantidade de produções e eventos que estão acontecendo em Salvador e não estão sendo devidamente arquivados. E então eu disse para Márcio, “acho que seria legal se alguém fizesse um fanzine apresentando o Buk”.

Eu tenho um medo irracional de que um dia a internet acabe e todo o conteúdo que está nela se perca. Acho que ninguém arquiva as coisas que lê na internet — por mais que eu tenha achado vários textos de blogs e sites interessantes, nunca salvei ou imprimi postagem nenhuma, e isso é bem problemático. Esse mês, eu estava em uma aula em que a classe começou a discutir sobre a evolução da fotografia, e então o professor indagou: “as pessoas estão cada vez mais confiando em armazenamento em nuvens, mas será mesmo que essas nuvens são tão confiáveis?”. Uma menina da turma lembrou que metade da internet parou de funcionar quando os servidores da Amazon caíram e pontuou que boa parte dos data centers estão localizado nos Estados Unidos. Ela argumentou que se jogassem uma bomba no país, por exemplo, a maior parte do conteúdo armazenado em nuvens seria destruído. E então eu pensei: “é isso, é exatamente isso! Finalmente, alguém disse!”. É sério que ninguém pensa nessas coisas? São possibilidades muito reais!

O material físico me soa como uma proposta de armazenamento muito mais segura — você pode revisitá-lo sempre, com a certeza de que ele não será desintegrado caso explodam um CPD do outro lado do mundo. Acho que o material físico tem uma carga de memória que o material digital, por ser muito mais efêmero, não tem. É interessante perceber que a publicação impressa causa uma comoção geral, principalmente em relação às gerações mais velhas. Eu recebo muitas mensagens que dizem “estou muito feliz que alguém teve a iniciativa de publicar um produto impresso na era da internet”. Por outro lado, acho que a internet não deve ser demonizada, tampouco vista como uma inimiga — na minha opinião, o problema não está nela, mas no uso que as pessoas fazem dela. Eu, particularmente, acho a internet, os smartphones e as redes sociais entidades maravilhosas. Sou colunista de música em dois sites, inclusive.

Uma vez eu li uma entrevista com o Jello Biafra em que ele dizia que, no início do punk, quase nada da cena de São Francisco foi documentado e quase nenhuma banda da cidade gravou um disco, pois as bandas independentes não tinham dinheiro para produzir material. Ele viu bandas e álbuns acontecerem e se dissiparem ao decorrer da história sem nenhuma espécie de registro material, e isso foi o que o motivou a criar a Alternative Tentacles. Eu tenho essa mesma sensação constantemente — sempre vejo bandas excelentes acabando sem terem nada ou quase nada gravado, shows acontecendo sem ninguém fotografando ou escrevendo sobre e todos esses fatos sendo apagados pelo tempo. Não dá para confiar na nossa memória. Produzir esse conteúdo é muito importante, pois tem um valor histórico! No futuro, alguém vai querer saber como foram as coisas que estão passando diante dos nossos olhos. E hoje em dia, é muito fácil registrar. Se você puxar o seu celular do bolso para tirar uma foto do show que está vendo ou escrever em um diário sobre o que acha de uma banda qualquer, já está contribuindo muito.

Carlim (Oganpazan): Entendo perfeitamente esse fetiche por baixar discografias de bandas. Eu e um amigo temos milhares de mídias com backups das discografias que baixamos desde 2003, sem contar os hd´s. (rs). Lembro que uma das coisas que rolava entre a galera que escrevia fanzines nos anos 90 era promover trocas de seus fanzines com fanzinistas de diferentes cidades e estados. Assim circulavam as informações sobre a produção musical em cada região. Você mantem contato com outros fanzinistas de outros lugares?

Sim! Eu costumo chamá-los de “zineiros”. Eu sempre tento acompanhar os trabalhos não só de zineiros, mas também de jornalistas musicais, designers, ilustradores e fotógrafos independentes que eu acho que fazem bons materiais. Busco usar esses trabalhos para me inspirar em momentos de bloqueio e, quando surge a oportunidade, troco informações e tiro dúvidas sobre seus processos criativos. A internet também pode ser bem interessante nesse aspecto. Eu também costumo trocar material com as bandas sobre as quais escrevo e querem ter o zine na banquinha.

2Carlim (Oganpazan): O Porão Zine tem como foco um segmento musical específico?

Não necessariamente, eu escrevo sobre muitos subgêneros musicais — em dois volumes, tiveram pautas de punk, garage, post-hardcore, math rock, bluegrass. De certa forma, existe sim uma linha editorial, que tem relação com a música independente que me soa torta, deslocada e honesta. Eu até gosto de algumas bandas socialmente aceitáveis. Beatles, por exemplo, é uma das minhas bandas preferidas. Mas divulgar o “socialmente aceitável” não é a proposta. Eu fui no show do Paul McCartney semana passada, mas não vou escrever sobre ele, porque isso foi noticiado em todos os jornais locais. O objetivo é dar visibilidade ao que não tem tanto espaço na mídia massiva. Talvez exista um segmento musical, mas ele é mais político do que estético.

Carlim (Oganpazan): No início da entrevista você disse que o Porão Zine se inspira no Buk Porão, um dos poucos locais em Salvador que incluem bandas cujo som não possui apelo comercial, nem faz concessões para ser incluído nesse circuito. O Buk assim como o Porão Zine dão visibilidade a estas bandas e à produção musical underground soteropolitana. Como você encara a participação do Buk e do Porão Zine no fortalecimento desse cenário da cidade?

É meio óbvio que espaços culturais que abraçam produções independentes são importantes para o fortalecimento do cenário, pois as bandas precisam de locais para realizar apresentações e os produtores precisam de ambientes para efetivar seus eventos. Eu não sei bem como funcionava o cenário de Salvador antes de 2014, quando me mudei para cá, mas o que eu percebo com base nesses quase quatro anos vivendo na cidade é que, atualmente, a cultura de ocupação de espaços públicos não é muito presente no cenário de rock independente soteropolitano (eu friso “cenário de rock” pois acredito que no cenário de rap, por exemplo, as coisas sejam bem diferentes). Eu posso estar errada, mas se estão fazendo shows de rock em áreas públicas, estão divulgando muito mal, pois eu não os vejo acontecendo.

Eu fui a um único evento de rock na rua esse ano, uma festa realizada pelo Entorte Discos com shows de Bagum, Charlie Chaplin e uma dupla nova com influências de rock’n’roll e música popular chamada Tangolo Mangos. Acho que essa foi a primeira apresentação deles. Também teve um show de rap, do Galf. Foi um dos melhores eventos de 2017, na minha opinião. Acho que precisamos de mais iniciativas como esta. A Feira da Cidade leva algumas bandas para espaços públicos, inclusive levaram os Retrofoguetes ao Jardim dos Namorados mês passado, mas eu particularmente não classificaria esse tipo de apresentação como “show na rua”, pois a proposta é muito diferente dos eventos independentes convencionais. Na Barra tinha o Hot Dougie’s, que era um espaço meio híbrido entre público e privado, funcionava como um bar com apresentações musicais voltadas para a calçada — o que é bem comum, mas o diferencial é que eles levavam boas bandas independentes para se apresentarem, como Gigito e Ivan Motosserra. Mas o estabelecimento fechou suas portas em setembro.

Os meus amigos mais velhos costumam dizer que a prática de ocupar espaços públicos já foi mais comum na cidade, mas que vem se perdendo ao longo dos anos — creio que isso se dê, principalmente, por conta do processo de gentrificação que os bairros soteropolitanos sofreram recentemente. O problema é que esses indivíduos e coletivos que faziam shows na rua estão envelhecendo e se cansando e as gerações mais novas estão dependentes de casas de show e, por consequência, parecem não fazer a menor ideia de como se produz um evento fora de um espaço cultural. E produzir em uma área urbana não é tão simples quanto parece ser — todo espaço cultural tem sua burocracia, mas acho que nada é mais burocrático do que um espaço público. Um evento na rua está mais suscetível à repressão policial ou à intervenção dos órgãos públicos.

Esse mês, por exemplo, aconteceu uma situação muito bizarra. A Gigito é uma banda que ainda se empenha para fazer shows na rua, mas recentemente eles tocaram na passarela da Centenário e foram interrompidos por um representante do Shopping Barra. Ele pediu para que a dupla se retirasse do local por estar vendendo material e alegou que o estabelecimento tinha esse direito por ter investido em uma reforma da passarela realizada pela prefeitura! Isso é um exemplo da privatização desonesta do espaço público, que, por sinal, tem sido bem recorrente na Bahia e no Brasil. Gigito e Daniel são dois caras do bem que só querem tocar por aí e ganhar uns trocados. Honestamente, eu não faço a menor ideia de como uma dupla de músicos independentes ou uma banquinha de discos e fanzines podem representar uma grande ameaça ou concorrência comercial ao Shopping Barra.

3O que eu quero dizer com tudo isso é que hoje vivemos em um contexto em que as bandas soteropolitanas parecem precisar de espaços culturais para tocar, senão elas não tocam (ou até tocam, mas são interrompidas por autoridades). Para ser mais específica, quanto ao Bukowski, além de toda a política interna da casa, que é bem acolhedora e receptiva para diversas produções que são negligenciadas por outros espaços, o Buk tem um fator externo muito importante — ele está localizado no Centro Histórico. Meus amigos mais velhos também costumam dizer que o cenário soteropolitano já foi muito mais espalhado em termos espaciais. A concentração no Rio Vermelho é muito nítida hoje em dia, até para quem, como eu, não viveu os contextos anteriores.

Uma vez, Márcio me disse que essa concentração foi um dos fatores que o motivou criar o seu próprio espaço cultural no Centro Histórico — isso virou um grande sonho para ele, quase uma meta de vida. Ele me disse que estava cansado de ter que tirar R$50,00 do bolso toda vez que decidia ir a um evento no Rio Vermelho. Eu não tenho nenhum problema com o Rio Vermelho, estou sempre no Irish Pub, mas é essencial que existam espaços culturais em outros bairros, pois isso torna o cenário independente mais democrático e menos elitista.

Quanto ao Porão Zine, acho que seria pretensioso da minha parte dizer que ele está fortalecendo o cenário da cidade de alguma forma. É um projeto que acabou de começar e que tem seus objetivos, a recepção tem sido bem legal e as bandas locais o vêem como um novo meio para a circulação de suas produções, mas nada muito além disso. Ele está crescendo aos poucos, talvez tenha potencial para se firmar como algo importante no futuro.

Carlim (Oganpazan): Recentemente você divulgou em seu perfil no facebook o lançamento da editora independente VINTE KHZ. Fale um pouco dessa iniciativa, qual o seu propósito?

Eu senti a necessidade de criar uma distro/editora quando comecei a pesquisar por feiras de publicação independentes e percebi que muitos formulários de exposição têm campos que envolvem coletivos/editoras, e não pessoas físicas. É como se eu desse um nome e um conceito ao universo que envolve as minhas ideias e publicações, mas não se diferencia muito do que eu já fazia usando o meu próprio nome para divulgá-las. É só algo mais formal, para dar mais credibilidade ao meu trabalho e fortalecer minha participação em eventos burocráticos e feiras maiores. Acho que criar uma editora acaba atingindo um público maior também, me soa como uma boa estratégia de distribuição e divulgação.

Carlim (Oganpazan): Existem planos para daqui em diante? Quais os próximos passos do Porão Zine e da VINTE KHZ?

Existem sim. O Porão Zine volume 3 já está com o conteúdo definido. Ele tem prévia de lançamento para o começo do mês que vem. A intenção era que ele fosse mensal, mas eu tenho estado cada vez mais ocupada e às vezes os acontecimentos do mês não são suficientes para preencher 24 páginas. Em setembro, não vi tantos lançamentos nacionais que me chamaram a atenção e não aconteceram tantos eventos na Bahia se comparado ao mês de junho ou julho, por exemplo. Por conta disso, o volume 3 será uma união do conteúdo que produzi em setembro e outubro. A melhor parte sobre publicar independentemente é que você não deve nada a ninguém, então eu posso muito bem dizer “esse mês não vai ter Porão Zine, porque eu não quero”.

Tenho vários projetos para novembro, pois muita coisa acontecerá por aqui. Os DeaF Kids são uma banda que tenho muita vontade de ver ao vivo e estou muito feliz que eles virão à Salvador. Estou pensando em fazer um fanzine exclusivamente dedicado à banda, com uma entrevista e algumas fotos — eles são bem interessantes em termos visuais. Eu estou na equipe de comunicação do Feira Noise, que será nos dias 24, 25 e 26 de novembro e também tem bandas que me interessam em sua grade, a exemplo de Ventre e Deb And The Mentals. Vou tentar aproveitar a oportunidade para fazer algum material a partir da minha experiência trabalhando no festival.

E também já tenho planos para 2018. O Saco de Vacilos divulgou um festival que acontecerá em 18 de janeiro que me interessa bastante. A grade está cheia de bandas locais fantásticas e terá uma atração alagoana que quero muito ver, que é a Ximbra. O disco de estreia deles é um dos melhores lançamentos nacionais do ano! Estou pensando em fazer um fanzine de fotografia analógica para esse evento. E no meio do ano, se tudo ocorrer nos conformes, eu me formarei no curso de Jornalismo. Meu TCC será um produto impresso que envolverá entrevistas, fotografia e rock baiano. Não entrarei em detalhes por enquanto.

No mais, quero aprender sobre design gráfico e publicações impressas e garantir a circulação do meu produto o quanto eu puder. Sou estudante da Faculdade de Comunicação, mas estou estudando na Escola de Belas Artes esse semestre. Peguei algumas disciplinas de fotografia e teoria visual para ter um estudo formal do que, até então, eu estava buscando sozinha. Quero começar a me inscrever em feiras voltadas à publicação independente, pois só expus em eventos de música até então. Acredito que sejam experiências diferentes. Também estou procurando por lojas e distros para distribuir as coisas que faço.

Foto de capa de autoria de Geovana Cortês. 

Leia o porão zine em seu formato online clicando nos links abaixo:

Porão Zine Vol. 01

Porão Zine Vol. 02

Página Oficial da VINTE KHZ no facebook

Coluna da Paula Holanda no site DELIRIUM NERD

Sobre o Autor

Carlim

Jornalista musical instantâneo, saxofonista entre quatro paredes, híbrido de mineiro e baiano, ex-ateu, devoto ardoroso de São Victor do Horto e fanático religioso da Igreja Universal do Reino do Galo,

Notícias relacionadas

Comentar