Moa Anbesa – Rastafari (2007) O rugido do leão completa 10 anos!

Moa Anbesa Rastafari (2007) é um disco fundamental do reggaeman baiano que representa em sua música toda a firmeza da cultura real rastafari

Moa Anbesa Primordios

Por Bobo Tafari 

Há 10 anos, era lançado um dos clássicos do Reggae Soteropolitano, o cd “Rastafari”, da banda Moa Anbesa, liderada pelo cantor, compositor e multi instrumentista  Ijawell I&I. Este excelente disco reflete os anos de experiências nos palcos do mundo, e apresenta um amadurecimento da ótima sonoridade já alcançada no primeiro trabalho, o cd intitulado Moa Anbesa Experience (2004).

Em seu retorno à Bahia, no ano de 2001, após alguns anos de caminhada por países da Europa, África chegando até o berço do Reggae, a Jamaica,  Ijhawell recrutou dois talentosos iniciantes na cena do Reggae soteropolitana, o contrabaixista Ricardo Cruz e o baterista Vicente de Jesus aka DJha Vicente. Juntou-se ao grupo a experiência do principal guitarrista de Reggae da Bahia, Milan Gordilho. Assim, estava formada a banda que viria a se consolidar como a maior representante baiana do Reggae Rastafari no Brasil.

Moa Anbesa & Milan Gordilho

Moa Anbesa & Milan Gordilho foto: Gabriel Coimbra

Lançado em 2007, o álbum é o terceiro trabalho da banda e foi gravado no Ital Studios, pelo baterista e produtor Djah Vicente. A atmosfera DUB está presente em todo o álbum, com reverbs e delays que remetem ao lendário King Tubby, interagindo com instrumentais matadores e trazendo uma sonoridade muito próxima dos grandes clássicos jamaicanos como Israel Vibration, Burning Spear, entre outros. A pulsação do Nyahbingi, sob a condução baterista Vicente Djah, dita o ritmo do álbum, e juntamente com o contrabaixista Ricardo Cruz produzem uma base sólida para para as melodias vocais marcantes de Ijhawell, que também é o responsável pelos teclados e tambores Nyahbingi executados com maestria.

Os arranjos, com variações instrumentais bem elaboradas tornam a audição do álbum uma viagem muito interessante pela diversidade rítmica da musica jamaicana. A vivência Rastafari, em seus mais variados aspectos, é apresentada nas composições de Ijhawell, mostrando o posicionamento de um Rastaman diante das situações do cotidiano e também de questões políticas que dizem respeito a toda sociedade.

Moa anbesa ruim

Moa Anbesa em ação na República do Reggae

Em antigas tradições africanas, os aromas dos incensos eram um dos elementos imprescindíveis para acessar as esferas mais elevadas do mundo espiritual. É sobre esta visão ancestral que fala “Gunjah”, ou como afirma o refrão a “Cura das Nações”, fazendo coro aos Rastafari que o repetem desde a década de 20, do século passado. Um verdadeiro manifesto por uma visão sacramental e medicinal do uso da maconha. O álbum prossegue com um louvor ao Rei dos Reis, Leão Conquistador, na canção que leva o nome do governante da Etiópia, “Rastafari”. Seguida de “Jah Make”, um agradecimento pelas bênçãos de ser um Rastaman.

Um chamamento a favor da vida e contra os horrores das guerras ao redor do mundo é o recado dado em “Stop the war”, uma daquelas que levanta a galera nas apresentações ao vivo. O autoconhecimento como forma de elevação espiritual é a mensagem de “Know Jah”, faixa com uma belíssima introdução de teclado com o clássico timbre Hammond, bastante utilizado no Soul e no Funk por nomes como Lonnie Smith e popularizado no Reggae por Lloyd Charmers, Wire Lindo e Keith Sterling.

Pra fechar em alto nível, a canção “Essa Corrida” escancara as engrenagens do sistema político atual, que se mantém através das guerras e do individualismo. O ouvinte ainda é agraciado com duas versões alternativas das faixas Jha Make e Rastafari.

Moa Anbesa soa autêntico, com as características originais do Reggae Rastafari, mas sem parecer uma cópia de alguma banda jamaicana. Um disco pra legítimos apreciadores do Reggae e para quem tá afim de se aprofundar no conhecimento das bases da cultura responsável pela sua consolidação na Jamaica e expansão por todo o Mundo.

Acompanhem o trabalho do grande Moa Anbesa no Soundcloud!

Aumenta o som, acenda o Chalice.
Fyyyyaaaaaahhhhhhhhh!!!!!!!!!!!!!!

Notícias relacionadas

Comentar