Jason Odeia Eu 1998, Clássico Hardcore Nas Plataformas Digitais

Jason Odeia Eu de 1998 é um clássico do hardcore nacional e a banda acaba de disponibiliza-lo nas plataformas digitais, a juventude agradece

Jason 2

No principio era uma chuva torrencial, meus ouvidos estavam muito atentos ao hardcore melódico californiano que era a trilha sonora dos filmes de bodyboarding no final dos anos 90. A chuva caia forte na cidade de Salvador, o surf tava marcado no Barravento, pico que no inverno segura a onda do vento, proporcionando altas ondas. Cupim, colocou um disco, enquanto nos trocávamos no carro e o choque foi absoluto e ainda meio atônito caímos num mar de esgoto rodando 6 pés plus. Muitos tubos e manobras depois, sim eu conseguia fazer isso em 1999, voltamos pra casa chapados das ondas e ouvindo Odeia Eu (1998).

A devida fitinha foi gravada e dai por diante a busca pelo hardcore nacional passou a ser intensa, foi através desse disco de estreia do Jason, que esse que vos escreve travou conhecimento com o cenário nacional de hardcore da época. Bandas como Mukeka di Rato, Devotos do Ódio, Os Cabeloduro, D.F.C., Street Bulldogs and others passaram a fazer parte da nossa coleção de discos. E como diz o amigo Marcelo, esse disco ajudou na formação do nosso caráter!

Jason é uma banda carioca de hardcore, que hoje passados seus 20 anos de carreira, desde a fitinha demo: Eu não amo ninguém (1997), anunciaram recentemente uma pausa sem data de retorno. A banda não acabou, mas também não sabe quando volta. Fizeram um show de 20 anos + despedida recentemente e entraram nesse hiato. 

Saca a energia dos caras no clássico e extinto Musikaos:

O álbum de estreia do Jason, é uma tiração de onda desde a capa até as letras, tudo isso embrulhado com muita agressividade e rapidez. A logo “inspirada” nos então super famosos Hanson, a foto do casamento dos pais na capa, já impactavam e causavam curiosidade no ouvinte em potencial. Mas ao dar play no cd ou na minha saudosa fitinha, aí é que você ficava entre o riso nervoso e a repulsa, até ser completamente tragado para um mundo de cinismo e paranoia. 

Suicídios são lamentados pela sujeira causada na sala de estar e soluções recicláveis para dar fim as pedaços do cadáver são sugeridas são sugeridas. Incômodos por alguém estar ocupando a mesma cova que você são refletidos aos berros. Ideias sobre amigos a se evitar e um definitivo louvor pela solteirice se misturam a uma espécie de conto gore escrito pelo fantasma de Nelson Rodrigues.

As letras absurdas e cheias de um humor nonsense eram fabricadas com algum tipo de chiclete que uma vez dentro do seu cérebro, funcionariam como aquele mostro do clássico O Enigma de Outro Mundo (1982). O vocal de Vital, a guitarra de Panço, a bateria de Rafael se harmonizam pesadamente com as letras insanas de FF (semideus) e o seu baixo. São 18 pedradas urgentes do mais puro hardcore, executados com rapidez e técnica em apenas 23:16.

Vários temas são tratados nas letras mas a denuncia do ridículo e da hipocrisia, misturado a insanidade que vivemos cotidianamente são o ponto forte de Odeia Eu. Aquela misantropia gostosa, que é sempre bom ter em mira, atravessa canções muito instrutivas como: “Que bom que eu não amo ninguém”, “Meu Saco”, “Broder”, “Longe de Vocês”, “Suma de Vez”. O humor e o nonsense ganham contornos de pseudo reflexões filosóficas sobre a morte, em outras pauladas como: “Quero Dormir Em Paz”, “Tem Alguém No Meu Jazigo”, “Seu Corpo Vai Deitar”, “O Ciclo”.

Criticas políticas, porque não? em “Sua Vida Por Um Real” e em “Ninguém se Importa”, há um riso sarcástico, ao percebermos a hipocrisia dos pseudo engajados, mas também nos leva a pensar o preço pago pela honestidade num mundo de corrupção. A ética também é arranhada aqui em “Marra de Cão” e a critica aos valentões e um dos grandes clássicos – são muitos – contra os que não são e precisam se vestir para ser: “Imagem É Tudo, Sua Cabeça Não tem Nada”. Ironicamente, hoje as lojas de departamento vendem camisas de bandas e astros do rock e calças já rasgadas.

Alucinações, paranoia e outros distúrbios mentais, são tratados com a precisão de um açougueiro em deliciosas peças de humor gore diante da desgraça mental alheia: “A Viagem”, “Insônia”, “Ração”, “O homem Que Odiava as Mulheres”, “Odeia Eu”.

Tudo isso pra dizer que as novas gerações já podem ter acesso a essa maravilhosa peça de educação sentimental, pois recentemente os caras começaram a disponibilizar sua discografia nas plataformas digitais. E começaram por essa belezura que completará 20 anos no ano que vem. Lançado originalmente pelo selo Tamborete Entertainment do Rafael Ramos (ex-Baba Cósmica) e que também foi o produtor do disco. 

Pra turminha jovem e descolada, pros coroas que curtiram o disco e os shows dos caras, a saída enquanto eles não voltam é abrir o aplicativo de sua preferência e curtir Odeia Eu.

bit.ly/odeiagoogle
bit.ly/odeiaitunes

 

Sobre o Autor

Danilo

Bodyboarder de alma, pandeirista de ocasião. Pagodeiro nas horas loucas. Quer apenas poder dormir em paz nos ônibus e acredita que os fones de ouvido são fundamentais para a criação de uma nova religião capaz de acabar com o mal no mundo. Vive de Boas...

Notícias relacionadas

Comentar