Confira o que rolou no show do Iron Maiden em Brasília

Esse mês o Iron Maiden teve outra passagem histórica pelo Brasil! Nossa colaboradora foi lá em Brasília conferir o show dessas lendas do metal e nos conta como foi.

iron_maiden___the_book_of_souls_vi_by_croatian_crusader-d8yt919 leg

The Book of Souls World Tour – Iron Maiden, Anthrax e The Raven Age

Arena Nilson Nelson, Brasília/DF, 22 de março

No dia 22 de março, os portões da Arena Nilson Nelson, em Brasília, se abriram para receber a The Book of Souls World Tour, turnê do Iron Maiden com as bandas Anthrax e The Raven Age.

Pontualmente às 19 horas, a The Raven Age subiu ao palco apresentando como maior atrativo o fato de ser a banda do guitarrista George Harris, filho do baixista do Iron Maiden, Steve Harris.

raven

Na vez do Anthrax, provavelmente devido à expectativa em relação ao Iron Maiden, o público não encheu por completo a arena para prestigiar o show, e quem esteve presente se mostrou moderadamente receptivo à banda. De todo modo, quem não viu perdeu a oportunidade de apreciar um set arrebatador, com alguns clássicos e poucas músicas novas.

Abrindo com Caught in the Mosh, os norte-americanos também tocaram as espetaculares Got the Time, Anti-social e Medusa, entremeadas com três faixas de seus trabalhos mais recentes. Fight ‘Em ‘Til You Can’t, Evil Twin e Breathing Lightning revelam um Anthrax tocando um thrash metal mais moderno e muito competente, com o vocalista Joey Belladonna em plena forma.

O hino Indians encerrou a primorosa apresentação da banda nova-iorquina. O único defeito do show é que foi curto demais, com apenas oito músicas no setlist.

Depois de uma breve pausa, If Eternity Should Fail abriu o espetáculo do Iron Maiden, fazendo o público cantar o empolgante refrão da música a plenos pulmões. Os ingleses seguiram apresentando mais algumas faixas de seu novo álbum, The Book of Souls, que dá nome à turnê, alternando com clássicos como Children of The Damned, The Trooper e Powerslave.

Visivelmente mais magro depois de se curar de um câncer, o vocalista Bruce Dickinson impressiona pelo bom condicionamento físico, correndo e saltando pelo palco com bastante agilidade. Além disso, mostrou que a doença na língua em nada afetou sua capacidade vocal, segurando as notas com a mesma competência de sempre. O guitarrista Janick Gers também roubou a cena, com evidente carisma e irreverência.

Como não poderia deixar de ser em se tratando do Iron Maiden, as canções do novo disco têm inegável qualidade, a exemplo das faixas executadas no show, Speed of Light, Tears of a Clown (dedicada ao ator Robin Williams), The Red and the Black, Death or Glory e The Book of Souls. Porém, se os ingleses provam que ainda têm muita lenha para queimar, por outro lado, a banda poderia rever a quantidade de músicas novas em seu setlist.

Como o antológico grupo que é, o Iron Maiden tem uma imensa variedade de canções fantásticas em sua discografia. Se algumas delas fossem incluídas em suas turnês, enlouqueceriam os fãs de felicidade. Por mais que as músicas recentes sejam boas, talvez lhes falte a aura dos clássicos conferida pelo tempo. Afinal, foi a sequência de pérolas iniciada por Hallowed Be Thy Name que incendiou o Arena Nilson Nelson.

Fear of the Dark fez a audiência vir abaixo, Iron Maiden fez esta que vos escreve declamar apaixonadamente a letra dessa linda canção, The Number of the Beast foi delirante, Blood Brothers emocionou os espectadores e Wasted Years encerrou o set. A ausência da tradicional Running Free como a última música causou a sensação de que o show ficou incompleto, pois uma faixa divertida como essa é ideal para finalizar uma noite memorável.

Contudo, não foi nada que comprometesse a apresentação, porque ver o Iron Maiden é sempre fascinante, como demonstrou o público de Brasília, que lotou o Nilson Nelson de pessoas de várias gerações, de crianças a mães e pais de família.

O Iron Maiden é uma banda com uma capacidade incrível de arrebatar multidões, e seus shows são experiências catárticas que nos reforçam a crença de que a vida vale a pena. “Iron Maiden’s gonna get you, no matter how far…”

Por Raquel Oliveira Silva

Veja abaixo um pouco de como foi a apresentação do Iron Maiden no Rio de Janeiro:

Notícias relacionadas

Comentar