Bite the Hook (2015) – Petit Mort

Bite the Hook

Bite the Hook

Bite the Hook, novo álbum da banda argentina Petit Mort é um orgasmo sonoro que vai levar seus tímpanos aos limites do prazer. 

Essa coisa de escrever sobre música ainda não permitiu que o meu burro se acomodasse numa sombra qualquer, mas tem deixado o bichinho bem satisfeito! No último final de semana acordei lá pelas dez da madrugada, depois de uma noitada regrada a licor de tamarindo e embalada por forró. A ressaca era tanto que nem me preocupei em levantar para fazer um café. Porém, como todo indivíduo do século XXI, depois de abrir os olhos fiz a segunda ação que nesse estágio da evolução fazemos após despertar.

Peguei o smartphone, abri o facebook e lá estava uma mensagem. Dei aquela esfregada nos olhos, era uma banda me alertado para o lançamento de seu novo álbum. O burro não tá na sombra, mas quando esse tipo de coisa acontece ele aproveita o sol pra pegar um bronzeando. Fiquei imensamente feliz, pelo contato, mas principalmente pelo som que ouvi. Vou definir em uma palavra o som da banda: FODA!!

A banda é argentina e se chama Petit Mort, que em bom brasileirês significa gozar gostoso! Já em português formal quer dizer só orgasmo mesmo. Voltei, onde eu estava mesmo … ah tá, bem, a mensagem havia sido enviada através do perfil oficial da banda no face e compartilhava comigo toda potência de Bite the Hook, álbum da banda que veio ao mundo este ano. Fruto de uma inspiração pulsante, idéias fervilhantes e execução sensual e selvagem, o álbum vem para botar o público brasileiro de orelhas em pé, deixar os pelos do corpo arrepiados e a libido aguçada. É som pra quem gosta dum rock´n roll cru e instintivo, que fecha a chave da racionalidade e bota os instintos sob o controle da situação. Nada mais revigorante que um som que nos bota em contato com aquele lado neandertal ainda presente em nosso ser! 

Ouvi Bite the Hook assim que saí da cama. Abri uma cerveja e fiquei curtindo o som. Joguei a pastinha com as músicas no cartão de memória para ouvir na rua. Curtindo o som no buzão, saí do caos urbano, abafado e opressor, pra imergir no caos sonoro da Petit Mort. Ao mesmo tempo que aquele som me remetia a algumas referências musicais, deixava sempre uma ponta solta, algo que eu não conseguia associar com nada. Aquilo me deixou ao mesmo tempo confuso e curioso. Aproveitando o tempo livre que o engarrafamento me proporcionara comecei a pensar o que seria esse elemento misterioso. A resposta só podia estar na origem portenha da banda, pensei com meus botões.

Como sou um sujeito que gosta muito de futebol, sou fã da paixão que nossos irmãos argentinos mostram nas arquibancadas durante os jogos dos seus times de coração. Admiro profundamente a ligação que possuem com sua seleção nacional, algo que falta a nós brasileiros com relação à nossa. Estaria esse elemento relacionado ao futebol? Faço parte do grupo de brasileiros que combatem a famigerada, mas consolidada opinião de que nós brasileiros devemos odiar os argentinos e vice versa. Pôxa, rixa imbecil essa né!? Teria isso algo a ver com minhas conjecturas? Politicamente são mais articulados! Tem coisa mais punk que as Mães da Praça de Maio? O tango traz no som e nos movimentos dos casais de dançarinos uma carga de sensualidade tão particular que mimetiza o ato íntimo de dois amantes apaixonados, a ponto de fazer sujeitos desprovidos de romantismo como eu acreditarem que há mesmo diferença entre fazer amor e trepar. 

Ainda não tive o prazer de visitar a Argentina, mas olhando daqui de Salvador tenho essa impressão destacada no parágrafo anterior do que é o povo argentino. Pensando sobre os argentinos com a trilha sonora da Petit Mort cheguei a conclusão de que tudo se converge para um mesmo ponto: a paixão. Toda carga simbólica presente nesse sentimento se faz presente no modo de ser argentino. Ouvindo Bite the Hook vejo que a banda trouxe uma série de matérias primas responsáveis pelo resultado sonoro do álbum.

L7, Melvins, todo o grunge de Mudhoney à Pearl Jam, mas com algo a mais. Percebe-se claramente a presença de um ingrediente secreto nesse tempero, aquele je ne sais quoi, aquele elemento misterioso que eu não conseguia identificar e que garante a identidade do som. Para mim é a paixão, mas não qualquer paixão, isso todo ser humano tem. Refiro-me à paixão ao modo argentino, muito mais intensa, muito mais imprevisível, muito mais… argentina!

A intensidade é tão grande que ao dar o play nas músicas você logo pensa estar ouvindo uma banda com formação tradicional: vocalista, guitarrista, baixista e baterista. Não deixe que seus ouvidos te enganem, embora o som pareça ser feito por quatro, talvez cinco integrantes, são apenas três, trata-se de um power trio da pesada meus camaradas! A voz feminina que vocês escutam é da mesma pessoa cujos braços cerram as cordas da guitarra para que com ajuda do batera e do baixista arrombem as portas de seus ouvidos tomando de assalto seus neurônios levando seu corpo a chacoalhar freneticamente.

Assim como a invasão argentina em território brasileiro ocorrida em 2014 graças a realização da Copa do Mundo em nosso país, a Petit Mort saiu ocupando todos os territórios que surgiram em sua frente apaixonadamente. Já fizeram shows em festivais por vários países europeus e aqui no Brasil foram mais longe que os torcedores de sua terra natal. Tocaram em festivais do Iapoque ao Chuí! Neste vídeo a banda concede entrevista para uma TV em Praga. Assisti este vídeo, trata-se de uma apresentação na edição de 2013 do Festival DoSol e confesso estar rezando para aparecerem aqui por Salvador ainda este ano para conferir a energia da banda ao vivo. 

Bite the Hook é composto por dez músicas que certamente lhe propiciarão uma experiência sonora bem particular. Compartilhei a minha com vocês, agora é som na caixa e vejam pra onde a Petit Mort vai te levar e quais experiências lhes propiciará! 

Nota: logo3_notalogo3_notalogo3_notalogo3_notalogo3_nota

Petit Mort é:

Michelle Mendez: Guitarra / Voz

Juan Recio: Baixo

Jacques Blasetti: Bateria

Conheça mais a banda: 

SITE: http://www.petitmort.com.ar  

SOUNDCLOUD NOVO ALBUM “BITE THE HOOK”:  https://soundcloud.com/petitmortargentina/sets/bite-the-hook 

 

Sobre o Autor

Carlim

Jornalista musical instantâneo, saxofonista entre quatro paredes, híbrido de mineiro e baiano, ex-ateu, devoto ardoroso de São Victor do Horto e fanático religioso da Igreja Universal do Reino do Galo,

Notícias relacionadas

Comentar